Dramaturga mineira conquista São Paulo

11825742_10205851676945931_5209465657537626938_n
Foto: Divulgação

Nascida em Belo Horizonte, Silvia Gomez, tinha quatro anos quando seus pais resolveram se mudar para Lavras, cidade do interior de Minas, onde passou a infância e adolescência. Voltou para BH para estudar no Colégio Marconi. Depois veio a faculdade, formada em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais. Paralelamente à universidade, estudou também teatro “um lugar que sempre me fascinou”, define Silvia.

Em BH, viu encenada sua primeira peça – uma cena chamada A cada dia a vida fica mais curta, escrita para o festival de cenas curtas do Grupo Galpão. Dirigida por Yara Novaes, tia de Silvia.

Silvia Gomez- Fotos Leila Fugii-® 2015-5
Foto: Leila Fugii

Se mudou para São Paulo para trabalhar numa revista, em 2001. Logo entrou para o Centro de Pesquisas Teatrais, o CPT. “Acho que todo mundo tem pelo menos algum encontro decisivo na vida. Um dos meus foi com o Antunes Filho, assim como de muita gente que passou pelo CPT”, lembra Silvia.

Ainda no CPT, como integrante do Círculo de Dramaturgia até 2011, viu encenada sua peça de estreia O céu cinco minutos antes da tempestade, dirigida por Eric Lenate e publicada no livro Círculo de Dramaturgia, em 2006, pela Editora Sesc.

Também fez duas adaptações: O amor e outros estranhos rumores, de contos de Murilo Rubião; e Abra a Janela antes de começar, baseado em A Metamorfose, de Kafka. Traduziu O Continente Negro, do chileno Marco Antonio de la Parra; e Contrações, do inglês Mike Bartlett. Em 2015, retomou a parceria com o Lenate em Mantenha fora do alcance do bebê, texto selecionado pelo Centro Cultural São Paulo para a mostra de dramaturgia. A peça levou o Prêmio APCA 2015 de melhor dramaturgia e foi indicada ao Prêmio Shell por autoria. 

Neste momento, Silvia está tentando terminar uma peça, como ela mesmo diz, “Tenho de fazer uns acertos. Sou meio demorilda mesmo, por causa da minha vida dupla e porque tenho de estar muito comovida por um tema pra seguir em frente. Sei lá. Sempre tentando, tentando de novo, né? ”

 

1 comentário Adicione o seu

  1. Selma diniz freire disse:

    Parabéns Silvinha,
    Você sempre foi dedicada em tudo que fazia…… Lembra das brincadeiras de casinha aqui em casa? Saudades…as brincadeiras eram mais divertidas.
    Te amamos muito bjs e muito sucesso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *