Fragmentando Deus pela filosofia: É possível?

Será que Deus existe? Se ele é tão bondoso e poderoso, como pode permitir tamanha maldade espalhada no mundo? Tudo o que ele recomenda é bom? Perguntas como essa são respondidas com fundamentos da filosofia e das ciências da mente (principalmente nas questões de aceitação e de compreensão do mundo, com racionalidade) no livro Em busca de nós mesmos, um título essencial para todos que querem entender a verdade por trás de perguntas feitas há milênios por grandes pensadores.

imagem_release_999814

Publicada pela Editora Citadel, a obra contém um capítulo muito específico que levanta sobre o entendimento humano de Deus e como a crença na existência dele também afeta a racionalização e na postura para resolver problemas, tomar decisões e aceitar críticas morais. Tudo isso sem adentrar na teologia, buscando as respostas na filosofia e também nas avaliações humanas de compreensão entre si e de forças pelas quais não consegue controlar.

“O que vale para a minha aula vale para qualquer outra coisa. Deus poderia garantir a perfeição de tudo, mas, nesse caso, só haveria mesmo Deus. Tudo seria Deus. Tudo seria perfeito, e o mundo não existiria. Por isso, o amor de Deus por nós e a relação de Deus com a sua criatura faz lembrar as pegadas na areia da praia: elas indicam que Deus já passou por ali, mas foi embora para que o mundo possa ser como é. Foi embora para que você possa existir enquanto você.”

2 comentários Adicione o seu

  1. Bruno disse:

    Se ele é tão bondoso e poderoso, como pode permitir tamanha maldade espalhada no mundo?
    Quem faz esta pergunta geralmente não leu o evangelho de Jesus Cristo .
    47 Quem é de Deus escuta as palavras de Deus; por isso vós não as escutais, porque não sois de Deus. João 8:47

  2. A existência de DEUS é inquestionável. O universo e agora também o multiverso, não existiriam sem a evidência de uma infinita e definitiva consciência absoluta.
    O grande problema moral para a espécie humana quanto a sua existência é que as religiões, pelo menos as mais proeminentes, postulam que o HOMEM foi feito à imagem e semelhança de DEUS, quando na verdade, o DEUS de cada um é que é feito à imagem e semelhança de quem o cultua.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *